31 de mai de 2011

Você conseguiria passar 21 dias sem reclamar?

Tem uma teoria que diz que, se você, durante 21 dias – ininterruptamente – repetir uma ação, ela vira um hábito. Na esteira dessa ideia, um inusitado movimento mundial vem se disseminando rapidamente pelas redes sociais.


O projeto chama-se A Complaint Free World e consiste em incentivar as pessoas a passarem 21 dias sem reclamar. Para simbolizar a jornada, eles vendem uma pulseira com a inscrição “A Complaint Free World” (já há milhares delas espalhadas mundo afora) e oferecem um widget que acompanha o progresso.

Detalhe: você não pode reclamar sobre absolutamente nada para ninguém. Topa?

30 de mai de 2011

Awesome People Hanging Out Together

O tumblr do dia é uma valiosa contribuição do amigo Roberto Larroude. Como o próprio diz, reúne imagens históricas de celebridades saindo juntas. Confira algumas pérolas:

 Carl Sagan e Dalai Lama

Bob Dylan e Allen Ginsberg
 
Federico Fellini, Marcello Mastroianni e Sophia Loren
 
Kate Moss, Johnny Depp e Iggy Pop
 
Francis Ford Coppola, Woody Allen e Martin Scorsese
The Beatles e Muhammad Ali
 
Mick Jagger, William S. Burroughs e Andy Warhol
Claude Lelouch, Jean-Luc Godard, Francois Truffaut, Louis Malle e Roman Polanski
 
Errol Flynn e sua esposa Nora Eddington com Rita Hayworth e Orson Welles
Ella Fitzgerald, Duke Ellington e Benny Goodman
 
 
Michael Caine, Morgan Freeman e Liam Neeson
 
Claire Danes, Giancarlo Giammetti, Madonna, Gwyneth Paltrow, Valentino e Anne Hathaway
 
Quentin Tarantino, Tilda Swinton e Marilyn Manson

Da rua para a sua sala

Na primeira vez que esteve em um ferro-velho, o designer americano Boris Bally reparou com um amontoado de placas de trânsito que tinham sido retiradas das ruas e estradas por desuso. Resolveu comprá-las para tentar utilizar em algum objeto. Foi aí que teve a ideia de criar a Transit Chair, uma cadeira feita com as placas descartadas e rolhas reutilizadas que servem de pé.



"Daí para que outros objetos viessem foi um pulo", conta ele, que passou a criar também copos, pratos e até talheres feitos com as chapas que antes serviam para indicar caminhos e sinalizar conversões proibidas.


As peças são vendidas nos EUA, Japão, Austrália e Canadá.







6dollarshirts

Sim, o nome se adequa perfeitamente à proposta, oferecer pela Internet um mundo de estampas de camisetas pela bagatela de 6 doletas, ou melhor ainda, 6 peças por US$ 50!


E, pelo que pude ver, não fica a dever em nada para a nossa Banca de Camisetas e congêneres. Fica a dica. Para saber mais, clique aqui

29 de mai de 2011

Fashion Food

Belíssimo trabalho do fotógrafo americano Bill Durgin para a revista de tendências e life style Sleek. Ele fotografou corpos femininos como se fossem comida.



O desafio maior foi montar imagens de moda aliadas a legumes e frutas de modo a parecer esculturas.  Gênio!





Móveis que só faltam falar

Vincent Thomas Leman e Judson Beaumont não acreditam no convencional, ou melhor, fogem dele como o Diabo da cruz. Suas peças são construídas com linhas que parecem saídas de um filme de animação ou de uma exposição surrealista, como preferir. Armários, relógios, escrivaninhas e espelhos - o tradicional mobiliário que conhecemos adquire contornos inovadores sem perder a funcionalidade.


Vincent é o dono da Dust Furniture e se esforça por conjugar uma mobília que possa ser utilizada sem problemas no dia-a-dia, mas que sirva também para alegrar a rotina.

Com um trabalho descrito como “mobiliário tradicional-abstrato”, Vicent constrói, de fato, móveis comuns, como armários, relógios, espelhos e escrivaninhas; todos feitos de madeira e à mão - o que chama a atenção é, de fato, o visual de suas criações. Essa combinação entre o tradição e inovação garante obras diferentes e ao mesmo tempo acessíveis.

Não dá para negar que ele é ousado, mas não tanto quanto Judson da Straight Line Designs. Sempre procurando uma maneira de criar um sentimento, uma característica marcante ou uma emoção em suas peças, sua mobília tem personalidade e excentricidade que realmente faz pensar porque alguns móveis são tão comuns e quadrados. 


Uma mesa que faz xixi, armários que explodem e escrivaninhas com vida são algumas das imaginativas peças idealizadas pelo estúdio.  



 

26 de mai de 2011

Crowdsourcing de Moda


Mais uma startup promissora. Empresas enviam briefings de estampas, croquis, ilustrações, jóias, sapatos, identidade visual, etc. Qualquer participante do FashionLab pode entrar no projeto e concorrer ao prêmio estipulado por cada Marca.

O site de criação coletiva será lançado oficialmente daqui 8 dias, mas quem quiser já pode inscrever seu e-mail para participar da fase “beta”.

(via UOD)

25 de mai de 2011

The Voice Project - Uma corrente de covers musicais em prol da paz na África

O Voice Project teve origem num movimento de mulheres africanas que pretendiam chamar a atenção do mundo para uma guerra que há mais de 25 anos assola o sul do Sudão, norte de Ruanda e no Congo, onde tem sido praticadas verdadeiras atrocidades e crimes contra a humanidade, com milhares de vítimas. Muitas destas mulheres foram violadas ou perderam filhos, raptados pelos senhores da guerra envolvidos neste conflito de raízes étnicas.


A grande virtude do projeto está na forma como funciona. Trata-se de uma corrente musical de covers entre artistas de todo o mundo. Algumas canções interpretadas por estas corajosas mulheres foram o primeiro elo da cadeia; em seguida, um artista A fez um cover de uma música de um artista B que ele mesmo escolheu; o artista B, por sua vez, aceitou o desafio e fez um cover de uma música de um artista C, e assim sucessivamente...


Todas as versões ficam registradas em vídeo no site do projeto, onde qualquer pessoa pode fazer uma doação. Já foram arrecadados mais de US$ 50 mil e foram gerados mais 3 milhões de views no Vimeo. Segundo a última edição da Fast Company, ainda este ano será lançado um cd e um dvd.


The Voice Project from The Voice Project on Vimeo.

Confira abaixo alguns belos momentos registrados por meio dessa iniciativa:


Peter Gabriel » Tom Waits from The Voice Project on Vimeo.


Mike Mills » Billy Bragg from The Voice Project on Vimeo.


The Low Anthem » Phosphorescent from The Voice Project on Vimeo.


Broken Social Scene » Modest Mouse from The Voice Project on Vimeo.


Voxhaul Broadcast » Smashing Pumpkins from The Voice Project on Vimeo.

Está tudo bem em bisbilhotar!

Em uma noite recente, Adam Leibsohn pediu seu jantar no Mikey’s Burger de Nova York e depois passou um tempo navegando na Zappos. É possível ter acesso a essas informações porque ele tornou público seu histórico de navegação e quer que você também o faça. Essa, na verdade, é a proposta da rede social que ele acaba de criar: a Voyurl (sim, referência explícita a voyeurismo). O serviço permite compartilhar todos os dados pessoais que sites de e-commerce, buscadores, indexadores de conteúdo, entre muitos outros serviços virtuais acumulam sobre nosotros. 




O título desse post remete diretamente ao slogan da companhia: 'It's ok to look'. Daí, você me pergunta: por que alguém compartilharia esse tipo de informação? O próprio Leibsohn responde: "É essencialmente um cookie visível. Com o Voyurl, pretendo mostrar que você está sendo rastreado sim, mas que pode tirar proveito disso. A proposta é tornar as pessoas mais inteligentes em sua navegação na web". 


Mas e a privacidade? "A privacidade é uma consequência do controle. Se você não tem controle, você não tem privacidade. Houve uma pesquisa feita em 2005-2007 na qual as pessoas foram questionadas sobre as políticas de privacidade na web. Elas acreditavam que a presença de uma política de privacidade teria o propósito de proteger os seus dados, mas na verdade a política de privacidade estava para proteger o serviço. Eu não quero ser um comerciante de dados, um data warehouse ou um leiloeiro de dados, só quero permitir que as pessoas tenham acesso, assim como as empresas o tem, a esse manancial de informações pessoais que está já na web - é bom que se diga - e que possam tirar algum proveito disso".

Você pode até torcer o nariz, mas imagine ter acesso em tempo real ao clickstream do Sr. Zuckerberg, como a Wired simulou em sua última edição! Tentador, não? 



 

23 de mai de 2011

Fuja da rotina com Mark Jenkins

É impossível se deparar com uma intervenção do americano Mark Jenkins e ficar indiferente. Conhecido por suas instalações inusitadas e polêmicas ao ar livre, ele transpõe os limites do bidimensional e invade as cidades por onde passa com obras que vão de desencontro às rotinas do dia a dia das pessoas, gerando nelas o desconforto e a curiosidade para com aquilo que vêem.


Jenkins utilza-se dos mais variados materiais possíveis para elaboração das suas instalações, porém, dentre eles destacam-se as roupas utilizadas nos manequins forjados e o plástico utilizado para seus respectivos preenchimentos. Jenkins já teve suas obras publicadas em grandes jornais e revistas como Time Out, The Washington Post e o The Independent, além de menções no livro Hidden Track: How Visual Culture is Going Places .



Mark já levou seu trabalho a diversos países, inclusive ao Brasil, onde interviu nas ruas de São Paulo e do Rio de Janeiro.