26 de abr de 2012

E se a biblioteca fosse até você... de táxi?!

Uma pesquisa feita pela NYC Taxi and Limousine Commission com usuários de táxi de Nova York indicou que mais de 30% consideram as TVs instaladas dentro dos táxis como a pior coisa que poderia ter acontecido a esse tipo de transporte - gostaria muito que esse estudo fosse replicado por aqui. A sugestão de alguns, contudo, era que a comissão de lá poderia aprender muito com o projeto Bibliotaxi daqui.

O que? Quem? Quando? Onde? Por que?


Pois é. Alguns táxis que fazem ponto na Vila Madalena, em São Paulo, passaram a circular desde o final do ano passado com uma caixa cheia de livros no banco de trás.

A leitura não precisa ser feita apenas nos deslocamentos. Os passageiros podem emprestar uma das obras disponíveis nos carros e devolvê-las em um dos pontos de entrega: VilaMundo (Rua Belmiro Braga, 146. Vila Madalena) e Catraca Livre (Rua Gonçalo Afonso, 55. Vila Madalena).



O site australiano de notícias inspiradoras Concrete Playground brincou: “É engraçado pensar que podemos compartilhar com alguém outra coisa além do banco de passageiros dentro de um taxi”. 

Para doar livros ao projeto, envie uma mensagem através do twitter @bibliotaxi

25 de abr de 2012

As tristes crianças de papelão

Refugiado de guerra aos 10 anos, obrigado a viver como órfão por três, o iraniano Ali Golzad conhece 'intimamente' o potencial devastador de uma guerra.


Ele foi e é o exemplo de um cenário que hoje tem proporções devastadoras: estima-se que 20 milhões de crianças são diretamente afetadas por conflitos armados ou violações de direitos humanos ao redor do mundo. 



Golzad faz uso exclusivamente de papelão e tinta para dar corpo à série intitulada "Invisible People", cuja inspiração é justamente denunciar o absurdo das guerras. O objetivo maior é chamar atenção para aqueles que acabam sendo os mais afetados por elas: as crianças.




Os contornos dos frágeis rostos e as expressões endurecidas são impressionantes e... alarmantes!


24 de abr de 2012

“O grito”, de Edvard Munch, virou animação


A ideia foi de Sebastian Cosor, que inventou uma historinha se baseando na figura que grita angustiada na tela. A trilha é do Pink Floyd. Confira:
 


23 de abr de 2012

15 locações de filmes famosos que vale a pena conhecer

Taí dois endereços na web para cinéfilo nenhum botar defeito, Movie Locations e The Movie Map. A proposta de ambos é similar: listar os locais onde uma série de filmes foram gravados ao redor do mundo. Você pode procurar por país, cidade, título, elenco ou diretor.

O Movie Locations me pareceu mais completo, pois reúne, além dos mapas, as fotos e a descrição das cenas. Tirei de lá quinze locações que eu, particularmente, adoraria conhecer...

A casa do Kevin em Esqueceram de Mim

 
671 Lincoln Avenue, Winnetka, Illinois

A casa do Ferris Bueller em Curtindo a Vida Adoidado

 
Country Club Drive, Long Beach, Los Angeles

A sede dos caça-fantasmas em Ghostbusters 


 
North Moore Street, New York

A rua onde Amelie mora e trabalha em O Fabuloso Destino de Amelie Poulain


Rue Saint Vincent, Montmartre, Paris


A mansão Corleone de O Poderoso Chefão


 
110 Longfellow Road, Emerson Hill, Staten Island

 O bar de o Carteiro e o Poeta


 
Bar La Taverna del Postino, via Marina Corricella, Marina Corricella, Procida, Bay of Naples, Italy

A famosa cena da mímica do jogo de tênis de Blow up 


Maryon Park, Woolwich, London SE7


A caverna onde aconteciam as leituras da Sociedade dos Poetas Mortos


 
Beaver Valley Cave, Delaware


O presídio de Alcatraz


 
Alcatraz Island, San Francisco Bay, California

A famosa cena da ponte de Manhattan, de Woody Allen

 
Riverview Terrace, Sutton Square, 59th Street, New York


A cena da escadaria do treinamento de Rocky Balboa


 
Philadelphia Museum of Art, Benjamin Franklin Parkway, Philadelphia

A cena do atentado à bomba de Scarface 

 
Tudor City Place, East 41st Street, New York

O mítico bar onde rolavam os shows no filme The Doors, de Oliver Stone


 
The Whisky, Sunset Boulevard, West Hollywood, Los Angeles

Onde rolou a cena do tiroteio na escadaria de Os Intocáveis


 
Union Station, 210 South Canal Street, Chicago

A locação da cena 'Do long bridge' de Apocalipse Now


 
Magdapio River, Laguna, Philippines

20 de abr de 2012

Tirando uma do noticiário


Muita gente só tomou conhecimento da existência do Twitter pelos furos jornalísticos que a rede social deu, deixando meios de comunicação tradicionais comendo poeira. Consequentemente, não faltam hoje emissoras de TV, rádios, portais e agências de notícias que usam a rede social como referência em suas pautas diárias. Isso é preocupante. Até porque não são poucos os casos em que os tais furos se transformam em grandes engodos. Falta de apuração e checagem dos fatos.

Como rir, muitas vezes, é o melhor remédio, vale ressaltar um outro aspecto em que o Twitter se mostra pródigo: o sarcasmo, ou se preferir, a irreverência. Não faltam na rede boas paródias e, no que diz respeito ao exercício do jornalismo – ou não exercício - propriamente dito, o terreno é bastante fértil em termos de gozação.  Os usuários da rede estão ficando cada vez mais mais rápidos e hábeis, diga-se de passagem, na criação e manutenção de perfis fakes dos meios ou mesmo se transformando em fontes próprias de notícias non sense. O retorno de audiência em ambos os casos tem se mostrado retumbante. O Mashable publicou hoje, a propósito, uma boa amostra dessa tendência com um post intitulado ‘10 Hilarious Parody News Accounts on Twitter’. Para se ter uma ideia, os perfis The Fake ESPN e The Fake CNN tem, respectivamente, 200 mil e 100 mil seguidores.



Por aqui, como não poderia ser diferente, não faltam humoristas – e dos bons - que pautaram seu dia a dia em ‘tirar uma’ com o noticiário. Nesse quesito, o Sensacionalista, que virou até programa de TV, nada de braçadas. Tem mais de 115 mil seguidores e acumula grandes tiradas, como as que você pode ver a seguir:



Embora não tenha um perfil específico, o The Piaui Herald, blog feito pelo pessoal da Piauí, também manda muito bem. Tem seus posts disseminados pelo perfil oficial da revista, e não fica atrás em termos de ousadia:



O Ego Estagiário, por sua vez, direciona sua artilharia para a cobertura de celebridades, na maior parte das vezes, hilária por si só:


Outros vem na mesma linha: G17, R17, Estadaos, MeiuNorte... Enfim, criatividade não falta e, ao que parece, a competência em tirar um sarro, ultimamente, vem se destacando em relação à habilidade em informar, pelo menos no Twitter.

Como eu queria um desse...

Quem nunca passou pelo cômodo da casa de um amigo, parente ou vizinho e pensou: "quem me dera uma cozinha como essa?" ou "olha essa sala de TV!" ou ainda "imagina a gente num quarto como esse..." Enfim, os tumblrs e os pinterests da vida parecem ter se apropriado muito bem desse sentimento de cobiça e alguns, de fato, tem se esmerado em nos provocar, como você pode ver a seguir...

I want that kitchen 






I want that living room








I want that bedroom






19 de abr de 2012

O fantástico universo animado de Glen Brogan

"Eu vivo para os desenhos animados e acredito que os cartoons são uma forma de arte muito mais complexa e intrigante do que a maioria das pessoas pensa... Trata-se de uma maneira única de contar uma história, seja para fazer você rir, seja para fazer você pensar." Essa é a maneira como o ilustrador Glen Brogan se apresenta em seu site.


Tomei conhecimento de seu trabalho no Neatorama, que publicou essa genial ilustra 'Where's Jason', que faz referência explícita a 'Where's Waldo', mais conhecido por aqui como 'Onde está Wally?'



Seu trabalho mais conhecido, contudo, é esse guarda-roupa do Mario, que rodou a web.



 
A boa notícia é que grande parte das obras viraram estampas de camisetas e podem ser adquiridas por aqui