13 de fev de 2009

Ataque Libriano

Por Fernando Targa


TOP 5 – TRILHAS SONORAS DE TERROR

A rica história do cinema tem vários acontecimentos interessantes, que podem ser classificados como verdadeiros marcos, momentos em que a arte dá um salto e se renova totalmente. Um deles, certamente, foi a origem do som e das trilhas sonoras nas obras da sétima arte. Até 1927, os filmes não usavam o som como ferramenta, era a chamada era do Cinema Mudo. A partir do musical “The Jazz Singer”, os diálogos e as cantorias foram incorporados ao longa-metragem e um ano depois o cinema descobriria a trilha sonora propriamente dita. Os efeitos sonoros, a música e os diálogos foram devidamente sincronizados com perfeição no filme “The Lights of New York”, lançado em meio aos clássicos do mudo mais famoso do cinema: Charles Chaplin.

De todas as categorias cinematográficas, a que aguça mais a audição é a de suspense: quem nunca se arrepiou ao ouvir as orquestrações compostas por mestres da música, durante uma perseguição, um momento de escuridão quase que total ou de uma mão pegando em um ombro apavorado? Deixo aqui a minha lista das 5 mais eletrizantes obras musicais, para dar vida à nossa sexta-feira 13 e inspirar esse comecinho de noite...



Sexta-feira 13 (Friday 13th – 1980)
A aterrorizante música e os efeitos de Henry Manfredini compõem a história de Jason Vorhees, um garoto que morre afogado em um lago do acampamento, mas volta para assassinar até o último novo frequentador do local, até então abandonado por décadas. Do diretor Sean S. Cunninghan, o filme deu origem à série de 9 longas-metragens e é uma das mais bem sucedidas da história do cinema. O efeito sonoro que acompanha os passos do serial killer foi imortalizado.


Psicose (Psycho - 1960)
Uma das obras-primas de Alfred Hitchcock, considerado o mestre do suspense. Trilha de Bernard Hermann ilustra a morte da ladra interpretada por Janet Leigh, esfaqueada seguidamente na famosa “cena do chuveiro”. O sangue escorre pelo ralo da banheira, enquanto os acordes estridentes dos violinos arrepiam até a espinha. A música ganhou nova cara para o remake lançado em 1998, recomposta pelo líder do grupo pop Oingo Boingo Danny Elfman.


O Iluminado (The Shining - 1980)
Assustador thriller de Stanley Kubrick, que traz o neurótico Jack Torrence (Jack Nicholson) em meio à loucura ensandecida, durante isolamento total em um pequeno hotel de inverno, onde trabalha como zelador. A música de Wendy Carlos e Rachel Elkind serve de pano de fundo ao colapso mental e as perseguições de Jack à sua própria família.


Tubarão (Jaws – 1975)
Uma pacata cidade de veraneio americana recebe a “ilustre” visita de um monstruoso tubarão insaciável. Os ataques aos banhistas tiram o sono do delegado de polícia local Martin Brody, que tenta desesperadamente dar cabo do animal. A sequência de acordes graves dos cellos compostas por John Williams imortalizaram o filme, vencedor do Oscar de trilha sonora original.



Encarnação do Demônio (2007)

Último filme da trilogia do brasileiro José Mojica Marins, mais conhecido como o coveiro “Zé do Caixão”. As bases graves da trilha de André Abujamra e Marcio Nigro, compõem a saga de Zé do Caixão, durante a busca para encontrar a mulher que gerará seu filho perfeito, após ser libertado da cadeia, onde permaneceu encarcerado por 30 anos.

Um comentário:

  1. Sensacional... as trilhas causam um friozinho certeiro na espinha - mesmo que as cenas sejam trash!

    ResponderExcluir