21 de jan de 2009


A equatoriana Alexandra Castro ganha a vida há mais de 18 anos vendendo frutas em uma barraca na cidade de Guaiaquil. Começou ajudando os pais e hoje sustenta três filhos. Em 2006, a feirante deu um passo importante em seu negócio. Tomou um empréstimo de 925 dólares e, com o dinheiro, passou a comprar mercadorias no atacado, a preços mais baixos. Com a operação, aumentou a margem de lucro. Depois do impulso inicial, foi possível dar outro passo. Hoje, além de vender frutas, Alexandra as distribui a outros comerciantes. O pequeno financiamento que melhorou seus negócios não veio de uma instituição bancária tradicional, onde os mecanismos para a concessão de crédito são repletos de filtros. Alexandra cadastrou-se no Kiva, o primeiro site de relacionamentos a possibilitar que empreendedores de baixa renda encontrem pessoas ao redor do mundo que estejam dispostas a ajudá-los on-line, sem intermediários.

Conhecido por muitos como o Orkut da filantropia, em apenas três anos de existência, o Kiva virou sucesso mundial. Suas operações já movimentaram 30 milhões de dólares e chegaram a quase quarenta países. Tudo com o uso de apenas duas ferramentas: um computador e um cartão de crédito.

A rede de empréstimos foi criada pelo casal Matt e Jessica Flannery, dois jovens californianos. A idéia surgiu após uma viagem de Jessica à África, onde coordenou uma pesquisa sobre o impacto de doações módicas utilizadas por pessoas para abrir ou ampliar pequenos negócios. O Kiva, uma palavra que em Swahili significa ‘acordo’ ou ‘unidade’, funciona da seguinte forma: no site, você encontrará variados pedidos de empréstimo na página “Business IN NEED”. O candidato ao empréstimo apresenta-se com o nome, foto, quantia total de que necessita e explica como irá utilizar o dinheiro do empréstimo. Se quiser emprestar dinheiro e assim patrocinar o projeto de um (ou mais) candidato, você poderá transferi-lo por meio do PayPal (no mínimo US$ 25) e o KIVA se encarregará de entregar a totalidade dessa quantia ao empreendedor. Periodicamente, você poderá ter notícias da evolução do projeto do seu patrocinado no próprio site do Kiva ou diretamente na sua caixa de correio. Logo que o empreendedor pague o empréstimo de volta dentro de um período fixado (geralmente entre 6 a 12 meses), o dinheiro ficará novamente disponível e você poderá alocá-lo em um novo empréstimo ou simplesmente devolvê-lo a sua conta bancária.

Uma das principais razões de sucesso do Kiva é o alto grau de confiabilidade e transparência das operações. Para garantir a segurança do empréstimo, o site mantém parcerias com instituições locais de microcrédito que atuam em cada um dos 39 países atendidos atualmente – não há, por enquanto, entidades cadastradas no Brasil. Cabe a esses parceiros selecionar empresários idôneos e produzir relatórios periódicos sobre o andamento do negócio financiado, permitindo ao credor acompanhar pela Internet todo o processo. A seriedade do Kiva é reforçada pelo fato de que as próprias entidades parceiras são avaliadas no site – as estrelinhas que, no Orkut, servem para indicar a popularidade do internauta, no site sinalizam o grau de confiabilidade da instituição, de acordo com seu tempo de associada, quanto dinheiro administra e a taxa de inadimplência das pessoas que atende (a média geral é de apenas 0,2%).

E como o Kiva se sustenta? Além de receber doações, seus criadores encontraram outra solução: embora os tomadores do empréstimo devolvam o dinheiro em parcelas mensais, os financiadores ao redor do mundo só recebem o dinheiro de volta quando toda a dívida for amortizada – em média, no prazo de um ano. Durante esse período, os recursos ficam em uma conta remunerada e os rendimentos são usados para bancar as operações do site.
(Referência: CoolTools)

Nenhum comentário:

Postar um comentário