2 de mar de 2009


Escrito por Eleanor H.Porter, em 1913, Pollyanna é um clássico da literartura infanto-juvenil. O título refere-se à protagonista, Pollyanna Whittier, uma jovem órfã que vai viver em Beldingsville, Vermont com sua abastada mas sisuda tia Polly. A filosofia de vida de Pollyanna é centrada no que ela chama "o Jogo do Contente", uma atitude otimista que ela aprendeu com o seu pai. Esse "jogo" consiste em encontrar algo para se estar contente, em qualquer situação por que passemos. E olha que a menina sofre, viu...

Com um calor de 35 graus na moleira em plena segunda-feira, nada melhor do que invocar a personagem, abrir o sorrisão e, 'literalmente', sonhar...


E não se esqueça: sonho que se preze, tem que ter trilha sonora...

...Plantei um sítio/No sertão de Piritiba/Dois pés de guataíba/Caju, manga e cajá/Peguei na enxada/Como pega um catingueiro/Fiz acero, botei fogo/"Vá ver como é que tá"/Tem abacate, jenipapo/E bananeira/Milho verde, macaxeira/Como diz no Ceará/Cebola, coentro/Angu, feijão-de-corda/Vinte porco na engorda/Até o gado no currá/Com muita raça/Fiz tudo aqui sozinho/Nem um pé de passarinho/Veio a terra semeá/Agora veja/Cumpadi, a safadeza/Cumeçô a marvadeza/Todo bicho vem prá cá/Num planto capim-guiné/Pra boi abaná rabo/Eu tô virado no diabo/Eu tô retado cum você/Tá vendo tudo/E fica aí parado/Cum cara de viado/ Que viu caxinguelê...

Nenhum comentário:

Postar um comentário